Seguidores

domingo, 3 de outubro de 2010

JUNOT E O CHIADO CARIOCA

O General Junot era um dos homens de confiança de Napoleão, com ele combateu na Itália, Egito, Áustria, Rússia e Península Ibérica. Para nós, brasileiros, e em particular para os cariocas, Junot deixou rastros, como comandante das tropas napoleônicas ele invadiu Portugal em novembro de 1807, com um punhado de soldados fragilizados pelos rigores climáticos e topográficos da caminhada pelo norte da Espanha.

Apavorada, a família real portuguesa e sua corte, um vasto cordão de puxa-sacos, deram no pé e com a cobertura de navios ingleses, fugiram para o Brasil. Isso todos sabemos.

Agora, explico minha tese: nas minhas andanças por esse mundo sem porteiras, notei que o lisboeta tem uma maneira diferenciada de falar o português, diferente do restante do país. Eles chiam. Os érres e os ésses. Não sei porquê, avalio que deve haver influência árabe, que por lá ficaram mais de seis séculos.

A corte, toda vinda de Lisboa, chiando, invadiu o Rio de Janeiro em 1808. Eram seis mil portugueses bem aculturados, chegando numa cidade de cinquenta mil cariocas incultos e analfabetos, a metade escravos.

Vocês pode imaginar a forte influencia cultural que o Rio sentiu e os cariocas começaram também a chiar, aí está minha explicação para essa maneira gostosa e sensual dos cariocas falarem nosso idioma.

E Junot, prevendo tudo isso, ficou louco, louco mesmo: suicidou-se em 1813, jogando-se de uma janela...

2 comentários:

Eduardo P.L disse...

Muito bom!
Vou leva-lo para o Varal, e para o Sociedade Anônima, onde deveria escrever de quando em quando!

Anônimo disse...

Caríssimo, boa idéia !!!

Quem sou eu

Minha foto
Pugnador, objetivo e justiceiro

Arquivo do blog

Dos caminhos por onde andei

Dos caminhos por onde andei
Click na imagem e compre o livro.

Autor do blog no aeroporto de Florianópolis

Autor do blog no aeroporto de Florianópolis
Foto: E.P.L.

Minha CARICATURA

Minha CARICATURA
O "amigo da onça" se chama Eduardo P.L. Cimitan